Grupo Dom Bosco: 2014

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

domingo, 21 de setembro de 2014

Somos Católicos

n/d
Católicos tradicionalistas assistindo a uma Missa Tradicional durante a Segunda Guerra Mundial?
Não, apenas católicos assistindo À Missa durante a Segunda Guerra Mundial.

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Primeira panfletagem do Grupo Dom Bosco


O apostolado foi realizado no dia 13 de Setembro, na Av. J. K. de Foz do Iguaçu, próximo ao Batalhão do Exército. Os panfletos continham material sobre a Santa Missa e a Santa Confissão.
O folheto elaborado por nós pode ser baixado aqui:
http://www.4shared.com/office/WMk5M5ioce/Folheto_pronto.html

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Posições controversas? Entrevista com Dom Williamson


Esta entrevista é um dos resultados de quatro dias de conversação com o Bispo Richard Nelson Williamson quando era o reitor do Seminário da Fraternidade São Pio X, Nuestra Senora Corredentora, em La Reja, na Argentina.

Ao longo dos anos o Bispo Williamson explorou muitas questões relacionadas com a invasão da cultura anticatólica que nos rodeia. Muitos leram as cartas, mas poucos sabem muito sobre ele. 


P- Vossa Excelência, por que suas palavras dividem tanto as opiniões? 

R - Porque esse personagem Williamson é um dinossauro militante, não contente em ser extinto. Ele há muito tempo já chegou à conclusão de que o mundo moderno está muito errado. Mas o mundo moderno surgiu porque muitas pessoas acreditaram (e ainda acreditam) nele. Então, se ele se recusa a acreditar nele, não admira que haja um confronto. 

P - Eu admito que costumava ser muito difícil para mim ouvir o que o senhor tinha a dizer. Eu não podia suportar as suas ideias, Vossa Excelência, nos meus primeiros anos de Tradição. Mas quanto mais eu aprendi mais sobre a minha fé e sobre a crise, mais eu percebi que eu não estava vendo o quadro inteiro, como o senhor estava. 

A entrada da Wikipedia sobre Richard Williamson é uma verdadeira ladainha das posturas controversas de Williamson, com uma imagem encantadora de Julie Andrews em seu filme favorito. Deixe-me pedir breves relatos de suas ideias mais controversas: 

Mulheres e calças 

O Bispo de Castro Mayer disse que calças são piores nas mulheres do que as minissaias porque minissaias atacam apenas o homem inferior através da sensualidade, enquanto que as calças das mulheres atacam a parte superior do homem por perverter a própria ideia de mulher, colocando-a em roupas masculinas. 

Cada vez que uma mulher coloca uma saia ou calça ela reconhece em si mesma, consciente ou inconscientemente, a diferença entre as duas para sua psique. São as mulheres que me dizem isso. É lógico. 

Mulheres e Faculdade 

Universidades verdadeiras são para ideias. 
Meninas verdadeiras não são para ideias. 
Meninas verdadeiras não são para universidades verdadeiras. 

Isso levanta a questão, o que é verdadeiro para meninas? 

Ser mãe, seja física ou espiritual. Em seu sentido mais amplo e nobre. A maternidade é sagrada. É o futuro da humanidade. A Mãe de Deus é a glória do Catolicismo. 

Alegado antissemitismo 

Só um tolo é contra os judeus, simplesmente porque eles são judeus. Deve haver pouquíssimos diretores de seminários católicos tradicionais, que tenham convidado, como eu fiz uma vez, um rabino judeu para palestrar para seminaristas. Por outro lado, apenas um católico que não entende a sua fé não é contra os inimigos de Nosso Senhor Jesus Cristo. Eu sou contra judeus ou gentios, que são inimigos de Nosso Senhor Jesus Cristo. 

Maçonaria 

A Maçonaria é uma organização secreta que tem sido repetidamente condenada pelos Papas Católicos em seu juízo perfeito, porque desde o início ela foi projetada para subverter a Igreja Católica. Há alguns maçons, talvez haja muitos deles, que não sabem que este é o propósito profundo da Maçonaria, e que deixariam de ser maçons se soubessem. No entanto, os Papas Católicos sempre souberam disso. 

A Noviça Rebelde (The Sound of Music)

É subversivo. Por exemplo, Julie Andrews interpreta uma gatinha sexy que é uma irmã para filhas de seu marido, em vez de ser mãe, entre outras coisas. Em última análise, A Noviça Rebelde é uma apresentação falsa sobre maternidade, paternidade, família, autoridade, vida. Há mais, mas isso é suficiente. 

Tecnologia 

Em teoria, a tecnologia é um instrumento neutro aberto para ser usado para o bem ou para o mal, mas na prática, hoje em dia desempenha um papel enorme no materialismo do homem moderno, pois o homem moderno seria muito melhor espiritualmente, se ele não tivesse as tentações e distrações da tecnologia, especialmente dos eletrônicos. 

Diz-se que o dino-bispo Williamsorus Rex, é excessivamente pessimista. Uma das cartas do padre Le Roux do Seminário mencionou recentemente que não somos uma religião de pessimismo ou otimismo, porque a virtude da Esperança supera tais ideias transitórias. Então deixe-me enquadrar a próxima série de perguntas para o senhor nos dizer onde vê esperança, e onde precisamos melhorar. 

Famílias e Pais 

Sempre que há famílias com grande número de crianças, algo está dando certo, de acordo com o plano de Deus. Quanto mais as famílias se expõem à tradição católica, mais vemos famílias numerosas no mundo. 

No entanto, muitos pais mais jovens precisam pensar sobre o quanto mais eles precisam fazer a fim de garantir a salvação eterna de todos (leia-se: todos) os membros de sua família. 

Mães 

Quando eu costumava visitar os EUA, para a Crisma, eu via regularmente jovens mães com várias crianças pequenas. Estas mães eram, obviamente, femininas, felizes, e mulheres realizadas. 

No entanto, mais e mais moças precisam receber ajuda para perceber que a sua verdadeira felicidade está na maternidade, com todos os seus vínculos e obrigações. 

Adolescentes 

Existem poucos pais de família que dão suficiente bom exemplo de levar a sua religião a sério para evitar que os meninos se afastem da prática de sua religião, como muitos o fazem, quando chegam aos 13, 14, 15 anos de idade. 

No entanto, mais pais precisam manter os seus meninos longe de eletrônica ao lidar com o mundo real, em qualquer modo, tamanho ou forma. Além disso, os pais devem manter o difícil equilíbrio entre deixar seus meninos se contaminar pelo mundo e mantê-los em uma bolha de superproteção a qual os meninos são obrigados a estourar. Nenhum garoto digno desse nome quer viver na artificialidade, mesmo numa artificialidade piedosa. 

Escolas 

Nossa esperança aqui é a própria existência de escolas católicas tradicionais. É uma espécie de milagre que elas existam. 

No entanto, as escolas católicas de hoje devem manter o mesmo equilíbrio difícil como os pais, ou seja, entre superproteger as crianças do mundo de hoje e desprotegê-las, o que naturalmente causa danos incalculáveis ​​aos seres humanos em seus anos mais jovens e vulneráveis. Ninguém finge que é um equilíbrio fácil de manter. Uma fé forte é necessária. 

Paróquias 

Como a família é a unidade básica da natureza, a paróquia é a unidade básica do sobrenatural. É encorajador ver quase-paróquias crescerem ao redor da Verdadeira Missa, em todo o mundo. Mas estas quase-paróquias sofrem grandes dificuldades de distância, podendo apenas se encontrar no domingo, e assim por diante. Assim, o sacerdote que garante uma missa dominical sabe que deve fazer o que puder para construir uma família sobrenatural em torno da Missa 

Ambiente de trabalho 

Em primeiro lugar, os homens devem, na medida do possível, ficar de fora do ambiente de trabalho de hoje. E as mulheres devem ficar em casa, onde esses homens devem fomentar e amar a maternidade de suas esposas. 

Quanto aos homens, que devem estar no ambiente de trabalho de hoje, eles devem, pelo menos, perceber de quantas maneiras este ambiente é prejudicial ao seu bem-estar espiritual, e eles devem sabiamente agir da forma mais evasiva possível. 

Mais e mais mulheres estão querendo ficar em casa. Isso é definitivamente esperançoso. Mas para isso tanto o pai quanto a mãe devem desejar e amar crianças. Porque, sem filhos, a mãe é susceptível de ser insuficientemente empregada em casa, e insuficientemente respeitada para ficar em casa. 

Quanto aos homens, o desejo de fugir da cidade grande e moderna é certamente um sinal de sanidade. Se eles podem fazê-lo é outra questão. 

Modos de vida 

Muitos católicos tradicionais estão começando a ver a artificialidade radical da maneira suburbana [1] de vida. Isso é esperançoso. 

Em termos gerais, a grande cidade moderna e subúrbios são ambiente totalmente anticatólicos. Em termos gerais, quanto mais uma família puder se manter afastada dos eletrônicos e retornar à natureza, ou o campo, melhor. No entanto, um retorno ao campo e à vida do campo, que é muito mais saudável para as crianças, precisa ser bem pensado e planejado de antemão, se é para ter sucesso e não falhar em seu propósito. 

Um grande tema que o senhor fala muitas vezes é os “1950 ismos”. O senhor pode definir esse termo para os nossos leitores que não o conhecem? 

É o tipo de catolicismo a partir da década de 1950 que nos levou ao colapso conciliar do Vaticano II. A aparência de religião sem a substância. Um sentimentalismo farisaico. Uma dieta espiritual de balas e doces. Como tentar viver de doces. 

O antídoto é uma Fé forte que não quer fugir da realidade, a não ser para ir para o Céu. O Céu é real. Nenhum caminho irreal vai nos levar ao Céu real. 

O senhor, como eu, acredita que o 11 de setembro foi um trabalho interno. Por que é tão difícil para os católicos tradicionais até mesmo ter a mente aberta para ouvir essa possibilidade? E o que o senhor diz sobre a acusação de que deve manter a questões religiosas e deixar de colocar questões laicas, neste caso, o assassinato de 3.000 civis, para leigos? 

Bem, para responder a sua última pergunta, qualquer questão humana é essencialmente uma questão religiosa, e o 11 de setembro foi um trabalho tremendo feito nas mentes e vontades humanas. 

Para a primeira pergunta, eu responderia que o 11 de setembro causou uma grande mudança no pensamento mundial. Pessoas foram movidas numa direção globalista. Então, deve-se examinar em primeiro lugar se o 11 de setembro foi uma fraude global, e se foi, então deve-se examinar se é produtivo ou contraprodutivo dizer isso. 

No entanto, mesmo para começar a examinar os fatos, devemos divagar. Isto porque, para muitos queridos americanos, sua religião verdadeira é o seu governo. Para tais americanos, o 11 de setembro não pode ser uma fraude porque o seu governo maravilhoso não poderia fazer uma coisa dessas com eles! 

Mas como poderia um governo secular se transformar em religião de um povo? 

Porque os Estados Unidos estão unidos pela liberdade religiosa, o que significa que todas as religiões particulares contradizendo umas às outras não são sérias, nenhuma delas, deixando como fonte de unidade e da salvação da nação apenas seu governo secular. A liberdade religiosa é o porquê de muitos americanos tratarem o seu governo como a sua verdadeira religião, e por isso é claro que não podem lidar com a noção de o 11 de setembro ser uma fraude global. 

O famoso político conservador-liberal do século XVIII na Inglaterra, Edmund Burke, foi um caso semelhante? 

Sim, ele também queria glorificar uma revolução nacional, a chamada Revolução Gloriosa de 1688. Mais tarde, ele condenou a Revolução Francesa de 1789, mas o deslizar de um para o outro era inevitável, a menos que as almas se voltassem para o verdadeiro Deus, ou seja, para o Catolicismo. 

E o deslizar para o Anticristo é agora inevitável? Posso fazer alguma coisa para impedi-lo? 

Você e eu podemos abrandar o deslizar, permanecendo fiéis a Deus, mas pelas Escrituras, sabemos que o deslizar moderno termina com o Anticristo. O globalismo está em marcha. Mais rápido do que nunca. 

Voltando à ideia do campo, no sermão do Arcebispo [Lefebvre] por seu jubileu sacerdotal na Festa de São Pio X, de 1979, em Paris, ele é citado como dizendo (e aqui estou citando a biografia de Tissier de Mallerais, p. 513) que as famílias deveriam “fazer a escola em casa, se possível, e voltar para o campo, que é saudável, aproxima de Deus, equilibra temperamentos, e nos encoraja a trabalhar”. Algumas pessoas disseram que esta citação “é fora de contexto”, mas dada a forma que o Arcebispo favoreceu o ambiente rural em Êcone, alguém pode seriamente sustentar que o Arcebispo não defendia regressar ao campo sempre que possível? E em que contexto isso poderia ser colocado como tendo um significado diferente? 

Obviamente, o Arcebispo quis dizer o que disse. Inúmeros pensadores sérios, e não apenas católicos, têm entendido o quanto a grande cidade moderna é prejudicial para os seres humanos que vivem vidas humanas, quanto mais para chegar ao Céu. 

O Arcebispo está apenas dizendo o que é o senso comum para qualquer um que tenha pensado sobre o assunto. Mas é claro que é um tanto exigente de bom senso. É por isso que alguém pode inventar uma desculpa conveniente para sair dela, como dizer que a citação está “fora de contexto”. 

Em seguida ele diz “escola em casa quando possível”. Em uma entrevista com Bernard Janzen recentemente transcrita e publicada pela Angelus, o senhor foi citado como tendo dito que o ensino em casa é o segundo melhor. O senhor ainda se sente assim, e como pesa a sua resposta no contexto da citação do Arcebispo? 

É muito simples. Três, dois, um. 

O terceiro melhor ensino é o das escolas públicas corruptas em todos os lugares hoje. O segundo melhor é a pureza do ensino em casa [homeschooling].  O primeiro melhor ensino é o das boas escolas fora de casa, especialmente para os meninos. 

Mas o que dizer do custo dessas boas escolas (se não houver bolsas de estudo ou ajuda financeira disponível)? 

“A necessidade exige”, diz o provérbio. Se o papai não pode pagar por uma boa escola fora de casa, em seguida, a escola em casa torna-se a melhor opção. Infelizmente, boas escolas são sempre caras. 

E ainda mais em uma época sem muitas Irmãs e Irmãos ensinando... 

Verdade. No entanto, os católicos em eras passadas sempre fizeram sacrifícios enormes para a educação escolar de seus filhos, porque eles sempre souberam sua importância. 

“The Restoration of Christian Culture” [“A Restauração da Cultura Cristã”] é o título de um livro do falecido Dr. John Senior que soa como um desafio assustador. No entanto, alguns defendem que tudo o que é necessário é ir a Missa e para tentar converter as pessoas, em vez de “resolver os problemas do mundo”, por exemplo, voltar para o campo. Como o senhor responde, Excelência? 

A simples frequência a Missa obviamente não é o suficiente. 

Se um homem se vê no meio de um pântano, ele tem duas perguntas: 

1) Onde é que ele quer colocar o pé em seguida? 
2) Em que direção fica a terra seca?
Estas duas perguntas não são a mesma coisa. 
Praticidade imediata é uma coisa, o objetivo a longo prazo é outra. Talvez eu tenha que pisar imediatamente a sul, a fim de ir finalmente para o norte. 

O senhor chamaria tal catolicismo mínimo uma mentalidade de ‘cerco bunker’ [2]? 

As pessoas que só querem ir à missa e não fazem mais nada para catolicizar suas vidas não estão em uma mentalidade de ‘cerco bunker’, eu não acho que eles sequer sabem que estão sob cerco. 

Elas ainda não perceberam o quão perigosa tornou-se a situação moderna. E como o ambiente moderno é sempre anticatólico. 

Uma hora e meia no domingo não pode defender de 166,5 horas de ataque (24 horas por dia, 7 dias da semana - 1,5) . 

Falando de cercos e bunkers, Excelência, e esta crise do Líbano que eclodiu recentemente? 

Os israelenses fazer praticamente o eles querem, e o que eles querem não é justo. Se alguém quer dizer que é antissemita, que eles saibam que eu poderia muito bem ter dito a mesma coisa sobre os nazistas no início da 2ª Guerra Mundial, e os nazistas eram principalmente gentios. 

Pensamentos finais, meu senhor? 

Vigiai e orai, vigiai e orai, 
Quinze Mistérios, todos os dias!


Entrevista publicada em 2009.

Original aqui.

__________________________________________

Notas da tradutora:

[1] No texto o subúrbio é referente aos Estados Unidos. No Brasil a palavra subúrbio refere-se a bairros afastados do centro da cidade, mas não propriamente áreas projetadas para residências, como acontece nos EUA. Lá o subúrbio é uma área mais afastada do centro da cidade, mas com quase nada de comércio, bastante artificial, onde as pessoas terminam tendo que trabalhar muito para manter um padrão de vida mais elevado. Por exemplo, como é distante, é preciso ter dois carros e sendo assim todos os gastos aumentam, fazendo com que muitas vezes as mulheres tenham que trabalhar fora para ajudar com as despesas. No fim das contas desfavorece a família, e por isso também é ruim.

[2] “Bunker”- construção para proteger as pessoas de ataques de bombas, feitas geralmente em áreas subterrâneas.

quinta-feira, 15 de maio de 2014

A Família ameaçada




Carta de janeiro de 1993

Por Bispo Richard Williamson

Traduzido por Andrea Patricia


Queridos Amigos,

É claro que família gira em torno da mãe. E então ao defender a mulher autêntica, por exemplo, abordando o uso de calças por mulheres, se está ainda defendendo a família. Mas ao invés de culpar, esta carta quer incentivar os jovens pais e mães.

Jovens – e menos jovens – pais e mães, não é tão fácil uma tarefa como a vossa, a de criar hoje uma família católica. Para medir a extensão do problema, você deve medir a corrupção do catolicismo, que remonta a mais de um século, e você não é responsável pelos contras, mas sim por resistir à Revolução em sua própria família quando você entende como isso funciona.

Em todos os lugares, onde o Protestantismo surgiu há 400 anos, ele fez desaparecer a Igreja Católica ou Corpo Místico de Cristo, e ele fez do homem não mais um membro desse corpo social divino, mas um indivíduo isolado diante de Deus. De lá vem o individualismo moderno. Além disso, o Protestantismo também “liberou” a consciência do homem da autoridade da Igreja docente e dirigente (Mat. 28,19-20), deixando-o “livre”; é daí que vem o liberalismo moderno. Perto do final do século XX, mesmo naquelas partes do mundo onde o Protestantismo não havia prevalecido no início, o liberalismo individualista que ele criou penetrou profundamente, por exemplo, até mesmo dentro da Igreja Católica no Vaticano II. Então o mundo moderno está completamente imerso nas ideias protestantes: cada homem é livre, cada um por si, somos todos iguais na sociedade.

Mas estas ideias são profundamente antissociais. Assim, toda a sociedade moderna entra em colapso. Mas a família é uma pequena sociedade. Também a família moderna entra em colapso.

Para ilustrar como ele arruinou as coisas, vejamos o espetáculo que se apresenta hoje nos aeroportos, um pai com sua esposa e um ou dois filhos. Ele se veste, se comporta e está fazendo todo o possível para parecer com um “cavaleiro solitário”! Pobre família! Observa-se que sua esposa e filho ou filhos são naturalmente atraídos a ele, sob sua dependência natural; e depois por sua segunda natureza, o individualismo que o impregna desde o berço, os repele. No entanto, a dois pode-se jogar este jogo de independência. Então, vemos frequentemente a mulher, com seu filho único ou dois, tentando evitar depender dele. Então é só uma questão de tempo para que todos saiam do seu lado.

Visto que o casamento como foi projetado por Deus é um compromisso, as crianças são uma restrição; uma família é composta de laços, de restrições. Mas a “liberdade” ao contrário significa ausência de restrições: sem cordões, sem laços, sem apegos, sem afeições.

Assim, a “liberdade” destruiu a família.

A família como foi concebida por Deus é uma pequena sociedade hierárquica, com o pai na liderança, as crianças dependendo do pai e da mãe, e os servos depois deles (Ef. 5, 22 – 5, 19, incluindo a epístola da missa de casamento católico; ver Col. 3,18 a 4,21). Mas “igualdade” significa o desaparecimento de toda superioridade, de qualquer posição ou cargo.

Assim, a “igualdade” destruiu a família.

Mais uma vez, a família, como foi projetada por Deus, é uma pequena sociedade ou entidade social, na qual cada membro tem um papel distinto e complementar dos outros, até mesmo crianças mongoloides! Mas o individualismo significa independência – não interdependência -, seres humanos solitários. Assim, o individualismo destruiu a família.

Com efeito, é preciso saber o que queremos:

Ou o mundo moderno continua a glorificar a liberdade, a igualdade, o individualismo, a rebelião contra a autoridade, “cada um viva por si mesmo como lhe aprouver”, caso em que a família é prejudicada; ou o mundo procura defender a família, caso em que ele deveria parar de apresentar de forma atraente as ideias antissociais. Ele não pode fazer as duas coisas ao mesmo tempo.

Ele não pode, ao mesmo tempo, “ficar com a manteiga e ganhar dinheiro com a manteiga” [a]. Ele não pode amar o liberalismo e a família. Um dos dois deve desaparecer. Hoje, é a família que desaparece. Os liberais razoáveis, com as melhores intenções, estão, apesar disso, no comboio da destruição. A estrada para o inferno está pavimentada com boas intenções – e de ideias falsas.

Caros pais e mães! Vocês tem alguma simpatia secreta pelo rebelde solitário que enfrenta a autoridade e que sem qualquer ajuda garante o triunfo contra ela, a verdade e o bem? Este é o herói de quase todos os filmes modernos. Cuidado! Sob este sistema de valores está incubada a destruição de sua família. É a desagregação familiar, deixando a porta aberta a uma cascata de males, que destrói os seres humanos: divórcio, contracepção, pornografia, aborto, eutanásia, precisamos enfatizar?

A jovem mãe que me escreveu para me apresentar seu caso: há mais de 15 anos você se tornou uma católica da tradição, tendo crescido nos anos 60, 70, foi um pouco doutrinada, você me disse, pelo movimento de libertação da mulher. Você passou pela universidade, tornou-se educadora, até mesmo trabalhou no Capitólio, e se tornou “capaz de grandes coisas”, encontrando exaltação e satisfação ao lado de seus colegas de trabalho. Então você se casou, decidiu ouvir seus sacerdotes, ficou em casa com as crianças, entre as quais há agora dois adolescentes. Na época, havia montes de coisas para limpar todos os dias, e todos os problemas trazidos sobre uma família, por exemplo, a necessidade alguns anos atrás de encontrar uma educação católica para os seus filhos, levou você a viajar duas horas por dia durante três deles enquanto você educava em casa outros dois e cuidava de um bebê. “Foi uma loucura!” você me disse.

Não tão louco, jovem mãe! O que você aspirava na Colina do Capitólio? Combater a pornografia? Eu lhe asseguro, se o seu afeto e pureza da mãe estão no coração de seus filhos, você fez mais para imunizar o seu interior do que todos esses legisladores nunca poderão fazer para proteger o seu exterior. Você sonhou em se envolver na interessante luta contra o aborto? Eu lhe asseguro, se você tiver metade da Fé sobrenatural em primeiro lugar e ficou em casa para criar uma grande família nesta Fé, você terá mais nos corações de suas filhas para lutar contra o aborto, do que se você e elas tivessem participado de inúmeras marchas, campanhas e manifestações. Sem mencionar que ao pregar pelo exemplo, você fez muito mais do que faria carregando cartazes!

Mãe, pode ser que você não pense assim no momento, mas você escolheu a melhor parte. Espere só sentir como o ninho estará vazio quando os “pássaros” tiverem voado! Você pode esperar? Venha me ver daqui a vinte anos! Enquanto isso, que Deus a abençoe e que você possa ter todo o apoio de que precisa, porque a mão que balança o berço governa o mundo; porque o coração da mãe é a primeiríssima sala de aula das crianças; porque só você pode colocar no coração e na alma de suas crianças a construção ou a demolição da sociedade para todos nós amanhã.

Maridos: apoiem as mães que criam seus filhos! Avós: estejam à altura da tarefa, seus netos precisam de vocês. Amigos da mesma paróquia: ajudem com a pilha de roupa para lavar, pois um pequeno gesto pode ter um grande alcance! Católicos: lembremos que o mundo inteiro depende de nós! E jovens mães não parem de trazer luz ao seu ninho, e que Deus as abençoe. Vivam por vossa fé católica, e vocês irão construir sobre a rocha, e nenhum vento e nenhuma inundação poderão prejudicá-los.

_______________

Traduzido de: Monseigneur Williamson. Feminisme et Pantalon. Paroles D’Evêques. Septembre 1991-Janvier 1994. ISBN 2-908758-01-6.

D. Williamson é Bispo da FSSPX.

___________________________________________

Notas da tradutora:

*Ganhei esse livreto com quatro cartas de D. Williamson discorrendo sobre a modéstia feminina, especialmente sobre a mulher e o problema da calça, em português: Feminismo e Calça. A primeira das cartas, a de setembro de 1991, já tinha sido traduzida por mim a partir do texto em inglês do blog “Filipino Flavour”. Veja: Carta 1, Carta 2, Carta 3.

[a] « avoir le beurre et l’argent du beurre » : expressão francesa que significa que você não pode ter algo para si e ganhar dinheiro com a venda dele ao mesmo tempo. Ou você fica com a manteiga ou você a vende para obter dinheiro, não se pode ter as duas coisas ao mesmo tempo.

sexta-feira, 21 de março de 2014

A conversão da Rússia - Dom Williamson


Um impressionante mas possível plano do Céu para o mundo de hoje pode ser imaginado, se o Cristianismo Ortodoxo estiver renascendo na Rússia da maneira descrita para mim por um russo em Londres há alguns dias. Sua descrição corresponde à impressão trazida da Rússia por um amigo americano que visitou São Petersburgo alguns anos atrás. o Russo médio distintamente tem mais substância espiritual em si do que tem o espiritualmente devastado Ocidental médio. Como isso se liga a Nossa Senhora de Fátima...?

O Russo em Londres contou-me que a Igreja Ortodoxa na Rússia está mais seguindo que liderando um renascimento da Ortodoxia entre o povo. A freqüência à liturgia ortodoxa aumentou pela metade ao longo dos últimos dois anos, agora 80% dos russos denominam-se, ao menos, ortodoxos, ou seja, crentes. Novas paróquias brotam por toda parte. Bíblias são agarradas tão logo estejam à venda. A literatura religiosa floresce, enquanto a propaganda ateísta morre. A "Rússia Sagrada" ergue-se da tumba onde o Comunismo de 1917 a 1989 esforçou-se para enterrá-la.

Pois quando as estruturas Comunistas do "Império do Mal" Soviético (Pres. Reagan) desabaram em 1989, os russos voltaram-se a uma ideologia para substituir o Comunismo, mas não no Liberalismo Ocidental, mas nas suas raízes nacionais e religiosas da Ortodoxia Russa. O que, de fato, tinha o Ocidente para oferecer às novas necessidades russas dos anos 90? Em economia, o saque de suas riquezas por abutres capitalistas; em política, o atual cerco de suas fronteiras para garantir hegemonia global permanente por parte dos Estados Unidos através da construção de um círculo de bases militares que são uma, senão a verdadeira, razão das desastrosas ocupações do Iraque e do Afeganistão nunca chegarem a um fim; em religião, o impulso tentado no rumo do ecumenismo Conciliar, com o qual aparentemente o clero Russo não tem nada a tratar - pelo contrário, estão cientes do movimento Tradicional Católico e o apoiam.

Entretanto, não tenhamos ilusões: A Ortodoxia Russa une religião e patriotismo em uma mistura não inteiramente boa; e a Igreja Ortodoxa continua cismática por recusarem a Supremacia Papal e herética por recusar vários dogmas, então os Russos precisam ser convertidos à Igreja verdadeiramente Universal (Católica). Mas se Nossa Senhora de Fátima especificou o país deles para a Consagração a seu Coração, não será, não por que os Russos continuam a ser malvados comunistas, mas porque os enormes sofrimentos do povo Russo de seus 70 anos de cativeiro da Babilônia comunista estão invocando das profundezas sempre religiosas da "Rússia Sagrada" um levante de vitalidade espiritual que poderia salvar a Igreja, presentemente enfraquecendo o Ocidente, onde a autoridade ainda tem muitos números mas pouca Fé, enquanto que os tradicionais remanescentes têm a verdadeira Fé, mas de longe muito menos fiéis e muito menos Autoridade? Deus sabe como a Igreja Ocidental precisa de conversão!

Será que uma futura ruptura ao cerco da Rússia numa Terceira Guerra Mundial levaria à ocupação da Europa, o que afinal levaria o Papa Romano a consagrar Rússia ao Coração Imaculado de Nossa Senhora, o que ela por tanto tempo vem pedindo em vão? Virá nesse momento o renovado vigor religioso dos Russos salvar nossas enlanguescidas Autoridade e Tradição Católica, cuja Verdade irá, por sua vez, limpar seus erros? Se for assim, então Deus terá uma vez mais "encerrado a todos esses homens na desobediência para usar com todos de misericórdia (...) Quem pode compreender o pensamento e os caminhos do Senhor? A ele seja a Glória para sempre" (Rom. 11, 32-36).

Católicos, majoritários ou da Tradição, rezem em seus corações pela Consagração de Rússia ao Coração Doloroso e Imaculado da Mãe de Deus, ou "Theotokos" como ela é conhecida na Igreja Oriental.

Kyrie Eleison

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Sermão do Pe. Jean Faure - Bogotá, 26 de Janeiro


O Pe. Faure está de passagem por Bogotá (Colômbia).

Neste importante sermão, o fundador da FSSPX na América Latina nos explica a crise atual da FSSPX e faz uma série de revelações de alto interesse.

domingo, 26 de janeiro de 2014

Anacleto Gonzáles Flores por Fernando Rodrigues


Nos momentos de intempéries, de agruras que parecem sorver todas as nossas forças, lembremos desta figura fascinante que foi ANACLETO GONZÁLEZ FLORES (13 de julho de 1888 – 1° de abril de 1927), um dos heróis da Epopéia Cristera (1926-1929). 
Vítima do laicismo-maçônico, foi assassinado em 1° de abril de 1927, aos 38 de idade.
Ao ouvir sua sentença, respondeu concisa e profundamente:
“Uma só coisa direi e é que tenho trabalhado com todo desinteresse na defesa da causa de Jesus Cristo e de sua Igreja. Vós me matareis, mas sabei que a causa não morrerá comigo. Muitos virão depois de mim dispostos a defendê-la até o martírio. Eu me vou, mas com a segurança de que em instantes verei do céu o triunfo da religião em minha Pátria”.
Belo desfecho de uma vida dedicada ao serviço de um ideal elevado.
Anacleto não morreu em defesa de um vago humanismo de cariz maçônica, nem da democracia, nem do ecumenismo, nem do meio-ambiente, nem do indigenismo, nem do MST, nem de um filantropismo rotariano, nem de qualquer outra estupidez tão cara aos arautos do liberalismo católico de nossos dias e de outros.
Razão de sua morte: morreu “pela fé e pela Verdade Crucificada”. Quem o matou: “o matou o ódio por lutar pelo Amor dos Amores” (como disse Antonio Caponnetto a respeito de outro mártir, o professor argentino Jordan Bruno Genta, vitima do ódio comunista, morto ao se dirigir para a Santa Missa).
Que bela morte quando se morre pelo Amor dos Amores. Morrer pela Fé, morrer pelo Amor. Os progressistas não podem compreender a beleza da morte em tais circunstâncias pela simples razão de já não possuírem fé. E se não há fé já não pode haver Amor, mas apenas um arremedo de amor.  
Antes de sucumbir, às 15h, como revela o Pe. Alfredo Saenz em obra dedicada ao nosso herói, Anacleto recitou o ato de contrição. Apesar das dores, com voz serena e vigorosa se dirigiu ao General Ferreira, que presenciava a tragédia:
“General, o perdoo de todo o coração; muito em breve nos veremos ante o tribunal divino; o mesmo Juiz que me julgará será o seu; então você terá em mim um intercessor com Deus”.
Na hora derradeira, após um breve titubeio dos soldados que lhe crivarão de balas em seguida, com a última energia que lhe restava bradou serenamente:

“Pela segunda vez ouça as Américas este grito: ‘Eu morro, mas Deus não morre. Viva Cristo Rei’”.


Ao dizer pela segunda vez se referia Anacleto às palavras pronunciadas pelo então Presidente do Equador, GABRIEL GARCIA MORENO, ao sucumbir “vítima da bala da franco-maçonaria” (expressão do Padre Calmel).
Como dizíamos no início, nos momentos de dificuldades lembremos a bela vida de Anacleto. “A vida na terra é milícia”,conforme a consigna de Jó.
Mas somos miseráveis, lodo, e só com a graça não sucumbiremos. “O mal nos rodeia e nos solicita por todas as partes, abertamente ou por desvios mais ou menos dissimulados. Não nos dá trégua”, disse Marcel de La Bigne Villeneuve em um livrinho chamado Satan dans la cite”.
Para revigorar nossas forças, sugiro aos amigos e eventuais leitores do blog, que rezemos a bela oração composta por Anacleto na hora derradeira, e que ainda hoje seguem rezando, após o rosário, as famílias cristeras:
“¡Jesús misericordioso! Mis pecados son más que las gotas de sangre que derramaste por mi. No merezco pertenecer al ejército que defiende los derechos de tu iglesia y que lucha por ti. Quisiera nunca haber pecado para que mi vida fuera una ofrenda agradable a tus ojos. Lávame de mis iniquidades y limpíame de mis pecados. Por tu santa Cruz, por mi Madre Santísima de Guadalupe, perdóname, no he sabido hacer penitencia de mis peinados; por eso quiero recibir la muerte como un castigo merecido por ellos. No quiero pelear, ni vivir ni morir sino por ti y por tu Iglesia. ¡Madre Santa de Guadalupe!, acompaña en su agonía a este pobre pecador. Concédeme que mi último grito en la tierra y mi primer cántico en el cielo sea ¡ Viva Cristo Rey!"



Conheça o blogue: www.circulodeestudosgarciamoreno.blogspot.com

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

A Realeza de Cristo sobre a História - Pe. Julio Meinvielle


Há uma verdade fundamental da dogmática cristã que a chamada nova teologia busca obscurecer ou debilitar. É a Realeza universal de Cristo sobre toda a criação e por isso mesmo sobre a história. Sem embargo, esta verdade constitui a substancia mesmo do kerygma evangélico, que consiste na pregação do Reinado de Deus e de seu Cristo sobre a terra. A Nova Teologia obscurece e diminui a luz desta verdade porque ela se opõe diretamente ao laicismo da vida e da história que em sua versão liberal, socialista e comunista impera hoje sobre os povos. O laicismo constitui a substancia do mundo moderno e a nova busca pactuar com o mundo moderno. Logo se vê impelida a ofuscar e a diminuir uma verdade que tão radicalmente se opõe à sua intenção profunda.

Sem embargo, a encíclica Quas Primas, de Pio XI, sobre Cristo Rei, permaneceu como um documento que desafia os propósitos da impiedade em seu intento de diminuir os méritos deste título glorioso do Redentor. As páginas da Escritura, tanto do Antigo como do Novo Testamento, a Tradição dos Padres, a liturgia e os documentos do magistério, abundam em testemunhos desta verdade. Os salmos de Davi cantam sob a imagem e representação de um Rei opulentíssimo e sapientíssimo que havia de ser Rei de Israel.

O teu trono, oh Deus, permanece pelos séculos; O cetro de teu reino é cetro de retidão. Neles se prediz que seu reino não terá limites e que estará enriquecido com os dons da justiça e da paz. Florescerá em seus dias a justiça e a abundancia da paz. E dominará de um mar a outro e desde um a outro extremo do orbe da terra.

Portanto, não é de maravilhar que ao encerrar os livros santos o Apostolo João o chame de Príncipe dos Reis da terra que trás escrito em sua veste e em seu manto: Rei de reis e Senhor dos que domina.

A História, a história concreta dos povos, deve sujeitar-se ao reinado de Cristo. Cristo enquanto homem, por sua preeminência e por direito de conquista da Redenção, tem direito a que os povos o reconheçam em seu caráter de Rei. É evidente que os povos podem se rebelar. E assim canta o salmo: Porque se amotinam as gentes e traçam as nações planos vãos? Reúnem-se os reis da terra e confabulam os príncipes contra Yavé e contra seu ungido. Rompamos o seu jugo, longe de nós suas sujeições... Mas isto é vão. O que mora nos céus sorri. Yavé zomba deles.

A história serve ao reinado de Cristo de bom grado ou de mal grado, mas o serve. É claro que o correto e o que todos devemos desejar e no que devemos nos empenhar é em servi-lo de bom grado.

 O diabo, Príncipe deste mundo, tem algum senhorio sobre a história.

Teríamos uma imagem muito imperfeita da história se fizéssemos intervir tão somente, como protagonistas principais, o homem e Cristo. Por isso, Santo Tomás na mesma questão em que trata de Jesus Cristo, Cabeça da Igreja, dedica um artigo – o sétimo – a resolver se o diabo é cabeça dos maus. E responde afirmativamente, demonstrando que exerce função de governante quem influi sobre os demais para atraí-los ao seu próprio fim. Pois bem, o fim do demônio é afastar a criatura racional da obediência a Deus, e este fim é alcançado com o afastamento de Deus da criatura com seu livre arbítrio, segundo preceitua Jeremias: Rompeste o jugo e as cadeias e disseste: não servirei. Quando, pois, os homens, pecando, se dirigem para este fim, cai de cheio sob o regime e o governo do demônio, e por isto é chamado de cabeça deles. O nome de Príncipe deste mundo (João 12, 31; 14, 30; 16, 11) que a palavra divina atribui ao demônio não é um mero título, senão que expressa o verdadeiro domínio que o diabo conquistou sobre a história dos homens. É claro que este domínio não é absoluto, mas é muito real e se exerce não apenas sobre o homem individual, senão também, e sobretudo, sobre a ordem temporal e sobre as civilizações.

Digo, sobretudo. Porque a arte do demônio é dominar os meios temporais para por ali perder o interior do homem. Dai que trate de dominar os maios do prazer, da riqueza e do poder para ter amarrado o homem por completo. São estas as três tentações com que se atreveu a atacar ao Senhor no deserto. São as três tentações da tríplice concupiscência, que menciona o Apóstolo São João.

Junto com o diabo e sob o seu domínio também devemos nos referia a influencia do Anticristo na história. Na mesma questão oitava, artigo 8, Santo Tomás nos diz que também o Anticristo deve ser tido como cabeça dos maus. Porque embora não o seja na ordem do tempo nem por sua influencia, o é pela perfeição de sua malicia. Pois como em Cristo habitou a plenitude da divindade, assim no Anticristo há de brilhar a plenitude da malicia. Esta caracterização do Anticristo como um personagem no qual se concentra, no final dos tempos, a malícia humana, dá uma significação ao processo histórico dirigido a um ponto culminante de malícia. Longe de favorecer a tese que a nova teologia costuma sustentar de um progresso histórico, a ela se opõe e mostra que, embora a história sustente o progresso incessante da edificação do Corpo Místico de Cristo, ela mesma pode empreender e seguir um caminho de regresso. Por outra parte, que o Anticristo haja de encarnar a malícia perfeita não significa que a humanidade tenha que ser assumida pelo diabo tal como a humanidade de Cristo foi assumida pelo Filho de Deus, senão que o diabo lhe a de comunicar por sugestão sua malícia em grau superior a todos os demais. Neste sentido todos os demais malvados que lhe precederam são como que figuras do Anticristo, e por isso, o mistério de iniqüidade já está operando. Também, por este lado, há como que uma exigência do progresso do mal na história mesmo, porquanto as figuras nunca chegam a alcançar o grau daquilo cujo significado levam.

Significação da “Sinagoga de Satanás” na história

Com o problema do diabo e do Anticristo está ligado o problema da malícia dos judeus fariseus e de seu significado na história. É claro que o mal não é patrimônio de algum homem, e menos ainda algum povo. Todos os homens são pecadores e são capazes das piores aberrações. Assim como a graça de Deus tampouco tem relação especial com algum homem nem com povo determinado. Sem embargo, Deus pode escolher um caminho determinado para nos dispensar sua graça e para permitir expressar-se a malícia humana. De fato, Deus escolheu este caminho. O povo judeu, como é sabido, foi escolhido diretamente por Deus para nos trazer em seu sangue o Messias Jesus Cristo, quem havia de ser a Saúde do mundo. Parte principal deste povo, contrariando toda a tradição autêntica dos Patriarcas e Profetas, carnalizou a esperança do Messias e se sujeitou a uma falsa tradição humana de dominação de outros povos. Parte do povo judeu, sob a influência e o governo deste grupo de fariseus, se constituiu de modo especial desde a vinda de Jesus Cristo no que São João, em seu Apocalipse (2,9), chama a “Sinagoga de Satanás”. Desde então parte do povo judeu dominada por esta minoria cheia de malicia, se dedica à tarefa de perversão e de dominação de outros povos. À esta minoria se aplica com toda verdade as palavras que Jesus dirigia aos judeus fariseus: “Vós tendes por pai ao diabo e quereis satisfazer os desejos de vosso pai; ele foi homicida desde o princípio e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira”

São Paulo estampou em letras inalteráveis que ficam como lei da história a conduta desta minoria de judeus entre as nações. Disse o Apostolo (1 Tes. 2, 14 ss.):

“Irmãos, vós vos tornastes imitadores das igrejas de Deus em Cristo Jesus da Judéia, pois tivestes que sofrer da parte dos vossos compatriotas o mesmo que eles sofreram dos judeus, aqueles judeus que mataram o Senhor Jesus e aos profetas, que nos perseguem e que não são do agrado de Deus, que são inimigos de todos os homens, visto que nos proíbem pregar aos gentios para que se salvem”.

De acordo com esta lei que enuncia aqui o Apostolo Paulo, uma minoria farisaica de judeus desempenha na história um papel de inimigos primeiros dos povos cristãos, empenhados em perdê-los, impedindo sua cristianização. Para isso buscam o domínio total da vida dos povos apoderando-se das molas propulsoras do poder: do poder econômico primeiro e em seguida do próprio poder político. Seria longo historiar o processo histórico que cumpre esta minoria farisaica.

Mas uma vez derrubada a solida estrutura da cristandade medieval, fundada na fé e na caridade, os judeus conseguiram penetrar dentro dos povos cristãos e dali corrompê-los com o liberalismo e escravizá-los com o comunismo. A Revolução moderna – liberalismo, socialismo, comunismo – é o grande instrumento de dominação de que se valem. Com ela conseguiram suprimir a civilização cristã e substituí-la por uma civilização laicista e atéia.

Os cristãos, por sua vez, não têm outra defesa eficaz contra a judaização que uma adesão efetiva à vida cristã, o que implica no cumprimento privado e público da lei natural e sobrenatural. Quando os cristãos se debilitam neste cumprimento, vão caindo de modo insensível, mas seguro, no domínio judaico.

A história consiste em uma disputa entre Cristo e o diabo por apoderar-se dos homens

Do que dissemos fica claro que na história intervêm três protagonistas principais.   

O homem que, dedicado a múltiplas atividades profissionais, econômicas, políticas e culturais, deverá decidir com seu ato livre e em cada ato que destino e que sentido quer dar ao curo da história. O diabo que, operando através do exterior e, sobretudo, através dos grandes meios do poder, trata de sugerir em cada homem o amor de si próprio. Deus que, agindo no mais recôndito do coração humano, o move suavemente, mas com força, para a prática do amor autentico. Destes três protagonistas, apenas Deus tem um domínio total e soberano sobre a história, que exerce de acordo com os desígnios inescrutáveis de sua sabedoria e vontade.

A história é concretamente o campo aonde o divino semeador semeou a boa semente e aonde o diabo semeou também o joio. É o mar e a rede que se joga no mar e recolhe peixes de toda espécie. Nela, o mal está misturado com o bem e isso na proporção que só Deus conhece, e assim há de ser sempre até o fim da história.

A história é o campo da disputa entre Cristo e o demônio pela posse total do homem. Cristo emprega sobre todos meios sobrenaturais operando no interior dos corações aonde se determina verdadeiramente a intenção pela qual o homem age. Nessa intenção do agir humano se determina se o homem aceita a Deus como fim ultimo de sua vida ou, em troca, se aceita a si mesmo. Ao determinar o fim ultimo da vida nessa intenção ultima, se dá, por conseguinte, sentindo e significação a todos os outros bens em que a vida se desenvolve. Nesta luta se decide o juízo ultimo de todos os acontecimentos humanos, sejam públicos, sejam privados, porque todos eles, seja qual for sua natureza e suas dimensões, se resolvem definitivamente nessa intenção ultima e suprema aonde o homem decide por Deus ou pela criatura.

Na história há, definitivamente, dois grandes adversários que disputam entre si a totalidade do homem: Cristo e o diabo. Porque se cada ato humano deve decidir-se definitivamente por um fim último – Deus ou a criatura, Cristo ou o diabo – toda a história, que por ser humana é determinada por atos humanos, também ela pertence a Cristo ou ao diabo e, em absoluto, só a Cristo na medida em que até o diabo cai sob o seu domínio.

Dai resulta que Cristo é sempre o vitorioso da história, o Senhor da vida e da morte, o Alfa e o Omega. Triunfa pelo amor e pela misericórdia nos predestinados, triunfa também pela justiça nos réprobos. A história escreve sempre o nome de Cristo e só o nome de Cristo. Cristo que transcende a história é também imanente a todo o devir histórico. Todo o curso da história marcha para Cristo por caminhos que só Deus conhece.

A disputa entre Cristo e o demônio se trava no domínio da civilização temporal.

A disputa entre Cristo e o diabo se cumpre no interior do coração do homem. Mas seria um erro concluir dai que o campo da vida temporal do homem é terreno neutro de disputa. De nenhuma maneira. Porque, embora o destino da vida humana se decida no interior do coração, se decide ali sobre o que se faz na vida temporal.  O homem desenvolve sua vida em atividades temporais que satisfaçam suas necessidades elementares e façam progredir os meios de satisfazer essas mesmas necessidades. Sua vida de familiar, laboral, cultural, forma o tecido de ações e de atividades de onde emerge a civilização temporal e nas quais há de tecer sua decisão última e seu destino eterno. Dai a importância do sentido que se atribua a essa civilização temporal na relação com a vida eterna.

Essa civilização ajuda com o seu sentido na cristianização da vida ou, ao contrário, a dificulta? É claro que uma civilização que favorece a degradação das idéias e dos costumes, que corrompe a instituição familiar, que paganiza a vida publica, não pode ajudar a catequização de um povo. A civilização chamada ocidental, laicista e de ateísmo libertário, não é propicia para devolver o sentido de Deus às almas. Muito menos o é a civilização atéia e de trabalho forçado dos países comunistas. O fato de que apesar disso Deus consiga influir sobre os corações e salve nessas civilizações a muitos escolhidos, não pode deixar de nos convencer que são civilizações perversas que perdem a muitas almas, que postas em condições propicias e favoráveis à Fé cristã, se salvariam. Com essas civilizações o diabo consegue que a mensagem Cristã não chegue aos gentis e que estes se salvem (I Tes., 2, 14 e ss.).

É claro que deus pode deixar entregue ao domínio temporal dos povos e civilizações em poder do diabo e mesmo assim ganhar a verdadeira batalha, que é a saúde dos escolhidos. Mas o fato de que Deus possa atingir seus fins apesar das civilizações anticristãs, não nos autoriza estimular estas civilizações e deixar de trabalhar pra que impere a verdadeira civilização cristã.

A tarefa necessária, hoje, em pró da civilização cristã

Dai que a Igreja com insistência, desde os dias de Leão XIII, clama pela restauração da civilização ou da Cidade Católica. Mais adiante traremos as recordadas palavras de São Pio X que são clássicas na matéria. Mas podemos citar também as de Pio XI e de Pio XII. Este pontífice deu ao mundo inteiro em 19 de setembro de 1944 uma mensagem sobre este tema da “civilização cristã”: Ali manifesta textualmente que “a fidelidade ao patrimônio da civilização cristã, sua defesa intrépida contra todas as correntes atéias ou anticristãs, é chave de abóboda, que nunca poderá ser sacrificada nem diante de uma vantagem transitória nem diante de qualquer combinação mutável”.

Para a Igreja, esta palavra “civilização cristã” não é uma mera palavra vazia de conteúdo. Ao contrário, a considera apontando para um patrimônio vivo que ainda alimento substancialmente a vida de muitos povos. Por isso Pio XII neste mesmo documento diz umas palavras que merecer ser lembradas: “Europa – expressa- e os outros continentes vivem ainda, em grau diverso, graças às forças vitais e aos princípios que a herança do pensamento cristão lhes dá testemunho quase como uma transfusão espiritual de sangue. Alguns chegam a esquecer este precioso patrimônio, a depreciá-lo, inclusive a desprezá-lo; mas subsiste sempre o fato daquela sucessão hereditária. Até certo ponto um filho pode renegar sua mãe; mas não por isso deixa de estar unido biológica e espiritualmente. Assim também os filhos que se afastam da casa paterna e se consideram estranhos a ela, ouvem sempre, no entanto, às vezes inconscientemente e a seu pesar, como voz do sangue, o eco daquela herança crista, que muitas vezes em seus intentos e em sua conduta lhes preserva de se deixar dominar totalmente e guiar pelas falsas idéias, as que, intencionalmente ou de fato, aderem”.

Nestas palavras se encerra toda uma teologia da civilização moderna que dá sentido àquelas palavras da proposição 80 do “Syllabus” que negava a possibilidade de conciliação da Igreja com a civilização moderna. Porque, com efeito, se esta é a tarefa pesada que a Igreja tem pela frente, fazer a civilização moderna conforme o evangelho, é porque esta civilização se encontra na tentativa absurda de querer edificar-se fora de Deus.

Há que refazê-la totalmente, como ensina Pio XII.

Mas antes de considerar o tipo de tratamento profundo que necessita, a civilização moderna deverá considerar em que espécie de aberração caiu.

O Comunismo e a revolução anti-cristã (p. 15-20).
Tradução: Fernando Rodrigues