Grupo Dom Bosco: Sermão do XXIV Domingo depois de Pentecostes - Pe. René Trincado

sábado, 9 de novembro de 2013

Sermão do XXIV Domingo depois de Pentecostes - Pe. René Trincado

E sobreveio logo uma tormenta tão grande no mar, que as ondas cobriam o barco. E N. Senhor, levantando-se, mandou aos ventos e ao mar, e se fez uma grande paz.


Disse Santo Tomás (Catena Aurea) que Nosso Senhor um dia mandará os ventos ou espiritus, ou seja, aos demônios - que são os que agitam as perseguições- e dará uma grande paz à Igreja e ao mundo. Cabe perguntar-se se para terminar com a atual tormenta que assola à Igreja e ao mundo, quererá Deus impor uma grande paz súbita.

Uma possível resposta:

Nossa Senhora de Fátima (1917): Por fim, meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre me consagrará a Rússia, que se converterá, e será concedido ao mundo um tempo de paz.

Nossa Senhora de la Salette, França (1846): Então Jesus Cristo, por um ato de sua justiça e de sua misericórdia, ordenará a seus Anjos que todos seus inimigos sejam executados. Prontamente, os perseguidores da Igreja de Jesus Cristo e todos os homens entregues ao pecado perecerão, e a terra será como um deserto. Então se fará a paz.

Nossa Senhora de Akita, Japão (1973): o Pai mandará um terrível castigo à toda humanidade. Será um castigo mais grave que o dilúvio, como jamais houve outro... Fogo cairá do céu e eliminará a grande parte da humanidade...

Santa Brigida (século XIV): Quarenta anos antes do ano 2000, o demônio será deixado solto por um tempo para tentar aos homens. Quando tudo parecer perdido, Deus mesmo, de improviso, colocará fim à toda maldade.

São vicente Ferrer (século XIV): Virá um tempo que ninguém viu até então... se produzirá um estrondo grande, como nem foi nem se espera outro maior, senão o que se experimentará no Juízo  Chorará a Igreja... mas a tristeza se converterá em gozo. O Rei dos reis e o Senhor dos senhores os purificará e regenerará tudo.

Venerável Bartolomeu Holzhauzer (século XVII): O Omnipotente, então, intervirá com um golpe admirável que nada no mundo pode imaginar. Durante três dias, a terrá será submersa na escuridão mais completa. Como antes no Egito, o Anjo Exterminador abaterá todos aqueles que levantaram com ódio satânico contra a Igreja e os sacerdotes.

São Gaspar de Búfalo (século XIX): Aquele que sobreviva aos três dias de trevas e de espanto crerá ter ficado só na terra, porque ela estará coberta de cadáveres.

Frei Bernardo Maria Clausi (século XIX): As coisas chegarão ao cume, e quando tudo pareça perdido... Deus... transformará todas as coisas num abrir e fechar de olhos, como da manhã à tarde... virá um flagelo terrível e dirigido unicamente contra os ímpios. Será um flagelo inteiramente novo e como não se viu outro no mundo... grandes pecadores se converterão porque então conhecerão a Deus. Este flagelo se fará sentir no mundo inteiro e será tão terrível que os sobreviventes se imaginarão ser os únicos que livraram. Este açoite será instantâneo, mas terrível.

Venerável Frei Jacinto Coma (século XIX): A Providência tem reservado um meio imprevisto, que fará de um só golpe o que havia demorado muito tempo seguindo o curso normal das coisas.

Ir. Maria des Vallés (século XVII): Porque há três dilúvios... enviados para destruir o pecado. O primeiro dilúvio é o do Pai Eterno, que foi um dilúvio de água; o segundo é o dilúvio do Filho, que foi um dilúvio de sangue; o terceiro é o do Espírito Santo, que será um dilúvio de fogo. Mas será triste como os outros porque encontrará muita resistência e quantidade de madeira verde que será difícil de queimar. Dois já passaram, mas o terceiro está pendente e como os dois primeiros foram preditos longo tempo antes de que chegassem, assim é o último. Só Deus conhece o tempo.

Venerável Isabel Canori (século XVIII): Vi o mundo em completa revolução, a ordem e a justiça não reinavam mais. Os sete pecados capitais eram levados em triunfo. Por todos os lados se estendia a injustiça, a mentira, a libertinagem, e toda sorte de iniquidades... todos os fiéis que guardaram em seu coração a fé de Jesus Cristo... se viram... libertados do horrível castigo... repentinamente se levantou um vento violento e impetuoso, cujo som se parecia ao rugido de um leão. O terror e o espanto se espalhou entre os homens e até entre os animais... se servirá do poder das trevas para exterminar a estes homens sectários, ímpios que quiseram colocar por terra a Igreja e destruí la até seus cimentos... Mas Ele se livrará deles e a um sinal de sua mão poderosa, castigará a estes pérfidos e a estes blasfemos, permitindo às potestades tenebrosas que saiam do inferno... Imensas legiões de demônios andarão pelo mundo todo. E pelas grandes ruínas que causarão, executarão as ordens da Divina Justiça. Todos atacarão e causarão danos às famílias, às propriedades, às cidades, aos povos, às casas e nada será perdoado do que há na terra, permitindo Deus que estes mentirosos sejam castigados... dando-lhes uma morte rápida e bárbara, porque voluntariamente se submeteram ao poder do inferno fazendo-se com ele aliado contra a Justiça Divina... Vi então abrir uma sombria e espantosa caverna de fogo de onde saia uma multidão de demônios, que havendo tomado forma de homens-bestas, vinham a infestar o mundo, deixando por todas as partes só carnificina e ruim a  Os maus espíritos devastarão os lugares onde Deus foi ultrajado, blasfemado e tratado de uma maneira sacrílega. Estes lugares serão arruinados, aniquilados, deles não sobrarão nem ruínas nem vestígios.

Beata Ana Maria Taigi (século XVIII - século XIX): Trevas pestilentas, povoadas de visões horrendas, envolverão a terra durante três dias. O flagelo... do céu que será espantoso e universal... todos os inimigos da Igreja, ocultos ou aparentes, perecerão nas trevas, com exceção de alguns que Deus converterá depois. O ar será tomado pelos demônios que aparecerão sob toda sorte de formas horríveis.

Petite Marie des Terreaux (século XVIII - s. XIX): Tal como se viu começar a Revolução, tal se lhe verá acabar. Se verão as mesmas coisas e os mesmos males que o princípio: a República, a mentira, a licença, etc. etc. Mas tudo irá mais rapidamente e se terminará por um brilhante prodígio. Pasmará o universo um grande acontecimento em que serão castigados os maus de uma maneira espantosa .. repentinamente acabará a Revolução por um milagre que causará o assombro do universo: os poucos maus que fiquem se converterão. As coisas que devem acontecer serão uma imagem do fim do mundo; serão tão terríveis que bastarão para secar-se de horror.

Ir. Palma Maria Addolorata (século XIX): Haverá três dias de trevas; nem um só demônio ficará no inferno; todos sairão e o ar será corrompido; será a última praga. Depois uma grande cruz aparecerá no céu, e o triunfo da Igreja será tal que fará duvidar-se bem rápido as desgraças... a verdadeira Paz virá depois.

Josefina Reverdy (s. XIX): Uma parte da terra está toda deserta; nada, sem o poder de Deus poderá sustentar-se. As almas mais fervorosas cairão em uma angústia mortal. Haverá tão terríveis tempestades que as montanhas serão comovidas, que as casas, os edifícios se fundirão. A terceira parte dos homens perecerá. Nesse momento o sol escureceu-se. Trevas espessas cheias de espíritos satânicos cobrem a terra. A lua se tornará vermelha como o sangue... Depois da perseguição, a Igreja triunfará e reflorescerá.

Maria Julia Jahenny (s. XIX - s. XX): Eu me levantarei de repente em todo o esplendor de minha justiça... Transtornarei a terra, fulminarei a alma culpável... Será um grande dilúvio de espanto.

Ir. Helena Aiello (+1961): O mundo não merece mais o perdão senão o fogo, a destruição e a morte... o flagelo está pronto para livrar a terra do mal. Uma tempestade de fogo cairá sobre a Terra. Este castigo terrível que nunca se viu na história da humanidade durará 70 horas. Os ateus serão esmagados e aniquilados e muitos se perderão porque permanecerão na obstinação de seus pecados. Então se verá o poder da luz sobre o poder das trevas. O flagelo de fogo está próximo e purificará a Terra da iniquidade dos malvados...

Há dezenas mais de revelações privadas que falam de um súbito e tremendo castigo pelo que o Cristo imporá a paz no mundo. A profecia dos Três Dias de Trevas pode ser a mais reiterada de todas. Sem dúvida, alguém poderia objetar que nada se diz sobre isto na revelação pública. Vejamos:

Zacarias (XIII, 8): E acontecerá em toda a terra, diz o Senhor, duas partes de seus moradores serão dispersados e perecerão, e a terceira parte cairá nela. (XIV, 6-7): E naquele dia não haverá luz, senão unicamente frio e gelo. E virá um dia que só é conhecido do Senhor, que não será nem dia nem noite; mas ao fim da tarde aparecerá a luz.

Isaías (XIII, 9-11): Veja que vai chegar o dia do Senhor, dia horroroso e cheio de indignação, e de ira, e de furor, para converter em um deserto a terra, e apagar dela os pecadores. Porque a mais resplandescentes estrelas do céu não despenderão a luz de costume: se obscurecerá  o sol ao nascer, e a lua não iluminará com sua luz. E castigarei a terra por suas maldades, e aos ímpios por sua iniquidade; e porei fim à soberba dos infiéis, e abaterei a arrogância dos fortes. (XXII, 3-5): Porque dia este de mortandade, e de devastação, e de gemidos... Inteiramente arruinada ficará a terra, e totalmente devastada. XXIV, 6.13b: Se libertará um curto número, como quando se bate na oliveira e caem poucas azeitonas da árvore, e algumas sobras depois que acaba a vindima. XXIX, 6: E será isto coisa repentina, e não esperada. O Senhor dos exércitos visitará a esta multidão em meio de trovões e terremotos, e estrondo grande de turbilhões e tempestades, e de chamas de um fogo devorador. XXXIV,2: Porque a indignação do Senhor vai cair sobre todas as nações, e seu furor sobre todos os exércitos: os matará, e fará neles uma carnificina. XLVII, 14: Eis aqui que se tornaram como palha, e o fogo os devorou.

Sofonias (I, 2-3): Eu tirarei da terra tudo o que há nela; a cortarei toda, diz o Senhor: exterminarei dela homens e animais: exterminarei as aves do céu, e os peixes do mar, e perecerão os ímpios; e exterminarei da terra aos homens, diz o Senhor. I, 14-18: Próximo está o dia grande do Senhor: está próximo e vai chegando com suma velocidade: amargas vozes serão as que se ouvirão no dia do Senhor... Dia de ira aquele, dia de tribulação e de dor, dia de calamidade e de miséria, dia de trevas e de obscuridade, dia nublado e de tempestades, dia de terrível som da trombeta contra as cidades fortes, e contra as altas torres. Eu atribularei aos homens: os quais andarão como cegos, porque pecaram contra o Senhor: e seus sangue será espalhado como o polvo, e jogados seus cadáveres como o lixo. E nem a prata, nem o ouro poderá liberta-los naquele dia da ira do Senhor, cujo ardente zelo devorará a terra. III, 8b: então derramarei sobre eles minha indignação, e toda a ira e furor meu de modo que o fogo de meu céu devorará a terra. III, 9: Porque então purificarei os lábios das nações, a fim de que todas elas invoquem o nome do Senhor, e lhe sirvam debaixo de um mesmo jugo.

O "Dia do Senhor" que o profeta anuncia, será um tremendo e inimaginado flagelo, antes do fim do mundo, que cairá sobre todas as nações, um castigo terrível depois do qual ficarão sobreviventes que invocarão com novo fervor o nome do Senhor (Nacar-Colunga). A Igreja e o mundo serão restaurados, assim, de modo radical e sobrenatural.

Mais:

Jeremias: IV, 23.27: Vi a terra, e a vi vazia e sem nada; e aos céus, e não havia luz neles. Toda a terra ficará deserta: mas não acabarei de arruiná la de todo. XXIII, 19-20: Eis que se levantará o torbilhão da indignação divina, e a tempestade, rompendo a nuvem, cairá sobre a cabeça dos ímpios. Não cessará a fúria do Senhor, até que seja executado e cumprido o decreto de sua vontade: nos últimos dias é quando compreendereis o desígnio.

Ezequiel: VII, 5-7: Isto diz o Senhor Deus: a aflição única, a aflição singularíssima, eis que vem. Vem o extermínio sobre ti, que habitas na terra... próximo está o dia da mortandade. XXX, 1-3: Me falou novamente o Senhor, dizendo: Filho do Homem, profetiza, e diz isto o Senhor Deus: gritos em uivos, ai, ai daquele dia! Porque próximo está o dia, chega já o diz do Senhor, dia de trevas, que será a hora do castigo das nações.

Joel: I, 15: Ai, ai! que dia tão terrível é esse dia que chega. Ai! próximo está o dia do Senhor, e virá como uma espantosa tormenta enviada do Todo-Poderoso.

Amós 5,18b: Dia de trevas será aquele para vós, e não de luz. Por ventura aquele dia do Senhor não será dia de trevas, e não de luz; e não reinará nele uma suma escuridão, sem rastro de esplendor?

Malaquias IV, 1-3: Porque chegará aquele dia semelhante a um forno aceso, e todos os soberbos, e todos os ímpios serão como estoupa; e aquele dia que deve vir, os abrasará, diz o Senhor dos exércitos, sem deixar deles raiz nem rebroto algum. Mas para vós os que temeis meu Santo Nome, nascerá o Sol da justiça, debaixo de cujas alas ou raios está a salvação; e vós saireis fora, saltando alegres como novilhos da manada. E olhareis aos ímpios, feitos já em cinzas, debaixo das plantas de vossos pés, neste dia em que eu agirei, diz o Senhor dos exércitos.

Romanos IX, 28 (citando a Isaias): porque o Senhor em sua justiça reduzirá a um curto número, o Senhor fará uma grande redução sobre a terra.

II Pedro, III, 5-7: Assim como um dia desapareceu o mundo destruído pelas águas do dilúvio, assim outro dia os céus e a terra serão purificados com o fogo, e nesse dia perecerão os ímpios.
Tradução: Grupo Dom Bosco
O Grupo pede desculpas pelo atraso na tradução.

Nenhum comentário:

Postar um comentário