Grupo Dom Bosco: Sermão do XXI Domingo Depois de Pentecostes - Pe. René Trincado

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Sermão do XXI Domingo Depois de Pentecostes - Pe. René Trincado


Nestes dias, os padres devem ler, no Breviário, os livros dos Macabeus, que relatam certos feitos acontecidos em Israel uns 150 anos antes do nascimento de Nosso Senhor, e que contem grandes lições para nossas vidas, especialmente nestes tempos terríveis de apostasia e de combate pela Fé.

Sucedeu primeiro –diz a Escritura (I Mac 1 – 2)- que “surgiram em Israel uns rebeldes que seduziram a muitos dizendo: ‘Vamos, façamos acordos com os povos que nos rodeiam – como o Vaticano II, acordo entre a Igreja e os inimigos de Deus; como o intento de acordo de Mons. Fellay- porque desde que nos separamos deles, nos sobrevieram muitos males.’ E obtiveram autorização para viver segundo os costumes dos gentios.” Deus castigou esta traição com as calamidades que seguiram: o rei Antíoco, da Síria, “enviou um exército que caiu de repente sobre Jerusalém, matando a muitos. Saqueou a cidade, a incendiou e arrasou suas casas e a muralha que a rodeava e seus soldados levaram cativos a mulheres e crianças. Depois reconstruiram a Cidade de David –este era um lugar contiguo ao templo- com uma muralha grande e forte, com torres poderosas, e fizeram sua fortificação. Estabeleceram ali uma raça perversa de rebeldes, que se atrincheiraram nela.” Os modernistas que se apoderaram de Roma e não podem ser expulsos. “Foi um perigoso laço que se converteu em emboscada contra o santuário, em adversário mau para Israel em todo tempo. Derramaram sangue inocente em torno ao santuário e o profanaram. Desde os postos de poder, os modernistas usurpadores fazem cair na libertinagem e na apostasia aos católicos de todo o mundo. “Caiu o santuário desolado como um deserto, suas festas convertidas em duelo, seus sábados em escárnio, sua honra em desprezo”. A obra destruidora do modernismo da Igreja. “E o rei – o Anticristo- publicou um edito ordenando que em seu reino todos formaram um único povo e abandonara cada um seus costumes próprios. Todos os gentios acataram o edito real e muitos israelitas aceitaram seu culto, sacrificaram aos ídolos e profanaram o sábado. Deviam suprimir no santuário os holocaustos, sacrifícios e libações; profanar sábados e festas; ultrajar o santuário e o santo –é o que vemos todos os dias- levantar altares, lugares santos e templos idolátricos; sacrificar porcos e animais impuros; deixar a seus filhos não circuncidados; tornar abomináveis suas almas com toda classe de impurezas e profanações, de modo que esquecessem a Lei –a Fé- e mudassem todos os seus costumes. Colocou o rei sobre o altar dos holocaustos a Abominação da desolação”. A estátua de um ídolo, como essa estátua de Buda colocada sobre o altar de Assis em 1986. “Ao que descobriam cumprindo os preceitos da Lei, lhe condenavam à morte. Mas muitos em Israel se mantiveram firmes e se resistiam a comer coisa impura. Preferiram morrer antes que contaminar-se com aquela comida e profanar a aliança santa; e morreram. Imensa foi a Cólera que se descarregou sobre Israel”.

Por aquele tempo, um sacerdote chamado Matatías deixou Jerusalém e foi viver em Modín”. Mons. Lefebvre que se separa da “igreja conciliar”. “Ao ver as impiedades que se cometiam exclamou: ‘Ai de mim! Nasci para ver a destruição de meu povo e a ruína da cidade santa?’ A Igreja. “O templo ficou como homem sem honra – a revolução litúrgica-, os objetos que eram sua glória, levados como recompensa – recordemos que Paulo VI, grande demolidor da Igreja, fez leiloar a Tiara Pontifícia, objeto de incomensurável significado e valor espiritual, logo depois de haver feito a solene deposição da mesma- mortos nas praças com seus filhos, e seus jovens por espada inimiga”. O pecado mortal e os frutos amargos do Concílio. As almas vencidas pelo diabo, autor do Vaticano II. “Todos seus adornos lhe foram arrancados e de livre passei à escrava. Vejam nosso santuário, nossa formosa e nossa glória, convertido em deserto, mirem-no profanado pelos gentios. Para quê viver mais?’.

Certo dia os comissários do rei, encarregados de impor a apostasia, chegaram à cidade de Modín para obrigar a oferecer sacrifícios e queimar incenso aos ídolos e abandonar a Lei de Deus. Muitos dos israelitas uniram-se a eles, mas Matatias e seus filhos permaneceram firmes. Em resposta disseram-lhe os que vinham da parte do rei: Possuis nesta cidade notável influência e consideração, teus irmãos e teus filhos te dão autoridade. Vem, pois, como primeiro, executar a ordem do rei, como o fizeram todas as nações, os habitantes de Judá e os que ficaram em Jerusalém. Serás contado, tu e teus filhos, entre os amigos do rei; a ti e aos teus filhos o rei vos honrará, cumulando-vos de prata, de ouro e de presentes. Matatias respondeu-lhes: Ainda mesmo que todas as nações que se acham no reino do rei o escutassem, de modo que todos renegassem a fé de seus pais e aquiescessem às suas ordens, eu, meus filhos e meus irmãos, perseveraremos na Aliança concluída por nossos antepassados. Que Deus nos preserve de abandonar a lei e os mandamentos! Não obedeceremos a essas ordens do rei e não nos desviaremos de nossa religião, nem para a direita, nem para a esquerda. Mal acabara de falar, eis que um judeu se adiantou para sacrificar no altar de Modin, à vista de todos, conforme as ordens do rei. Viu-o Matatias e, no ardor de seu zelo, sentiu estremecerem-se suas entranhas. Num ímpeto de justa cólera arrojou-se e matou o homem no altar. Matou ao mesmo tempo o oficial incumbido da ordem de sacrificar e demoliu o altar. Com semelhante gesto mostrou ele seu amor pela lei, como agiu Finéias a respeito de Zamri, filho de Salum. Em altos brados Matatias elevou a voz então na cidade: Quem for fiel à lei e permanecer firme na Aliança, saia e siga-me. Assim, com seus filhos, fugiu em direção às montanhas, abandonando todos os seus bens na cidade. Formaram, pois, um exército e na sua ira e indignação massacraram certo número de prevaricadores e de traidores da lei; os outros procuraram refúgio junto aos estrangeiros. Ora, chegou para Matatias o dia de sua morte e ele disse a seus filhos: O que domina até este momento é o orgulho, o ódio, a desordem e a cólera. Sede, pois, agora, meus filhos, os defensores da lei e dai vossa vida pela Aliança de vossos pais. Não receeis as ameaças do pecador, porque sua glória chega à lama e aos vermes: hoje ele se eleva e amanhã desaparece, porque tornará ao pó, e seus planos são frustrados. Quanto a vós, meus filhos, sede corajosos e destemidos em observar a lei, porque por ela chegareis à glória.

Estimados fiéis: durantes séculos os sacerdotes leram estes santos exemplos no Breviário e no Martirologio, mas finalmente a Igreja caiu na trama diabólica do Vaticano II e seu acordo de paz com o mundo; e finalmente a FSSPX está caindo hoje na trama diabólica do acordo de paz com os hereges modernistas. Disse o grande santo Matatías: “não temais às ameaças do homem pecador”, mas Mons. Tissier revelou recentemente que Mons. Fellay apresentou à Roma modernista sua traidora “Declaração doutrinal” de Abril do ano passado “para evitar à Fraternidade a excomunhão com que à ameaçava o Cardeal” Levada (Carta de Mons. Tissier de 29-3-2013). Que tem a ver esta atitude covarde com a fortaleza heróica dos mártires e dos santos? Pois absolutamente nada. Nunca é lícito fazer mal para conseguir um bem. Não se pode cometer um pecado, por mínimo que seja, para evitar ser excomungados, nem para salvar a própria vida, nem para salvar uma alma, nem sequer para salvar todas as almas. Mas a FSSPX mudou e atualmente são outras as prioridades, como o prova este outro escândalo incrível: a congregação abriu um colégio na Australia em cuja página de internet se diz o seguinte: “O programa e o ensino do Colégio Santo Tomás de Aquino, apoia e promove os princípios e práticas da democracia Australiana, incluindo um compromisso com: O governo eleito. O estado de direito. A igualdade de direitos de todos ante a lei. A liberdade religiosa. A liberdade de expressão e de associação. Os valores de abertura e tolerância.” A congregação fundada por Mons. Lefebvre “apoiando e promovendo” as “liberdades modernas”, maçônicas! Satânicas! Condenadas pelo Magistério da Igreja! Deus nos livre!  

Nenhum comentário:

Postar um comentário